terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Tomar um banho de chuva

Tem sido frequente as chuva na nossa região e todos agradecem a Deus pois chuva aqui é algo muito precioso e sempre recebido de forma muito respeitosa principalmente pelos habitantes da zona rural que depende de um bom inverno em suas lavouras.

Já no açude de Monteiro e na barragem São José a galera vai em peso tomar umas doses e dar um monte de flecheiros das paredes dos açudes e refrescar esses dias chuvosos e abafados.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011


Audiovisual da Paraíba não se limita ao eixo João Pessoa-Campina Grande

O objetivo do Microprojetos ‘Mais Cultura’ do Banco do Nordeste (BNB) é promover a diversidade cultural do semiárido por meio do financiamento de obras de artistas, grupos artísticos independentes e produtores culturais da região. Com um investimento total de R$ 13,5 o projeto beneficia toda a região do semiárido do Brasil e seus onze Estados, incluindo a Paraíba. Foram 169 projetos nas principais áreas de manifestações culturais como o teatro, a dança, as artes plásticas e a literatura. Entre os segmentos atendidos pela ação, a produção e disseminação do audiovisual é uma das preocupações do BNB. Um dos contemplados é o jovem cineasta de Nazarezinho, Paulo Roberto, que está em processo de pós-produção do seu curta intitulado Olhar Particular, onde o realizador constrói um poema lírico apenas com o uso das imagens e dos sons do ambiente, descortinando a beleza que há no trajeto de partida e chegada de três jovens no Sertão paraibano. “é um valor razoável para fazer o filme que você quer”, explica Roberto. “Importante também para mostrar que o interior paraibano também faz filmes como em Coremas, Aparecida, Congo e Dona Inês, fora do eixo João Pessoa-Campina Grande.” Em Coremas, o cineasta Kennel Rógis está finalizando Travessia. “Minha cidade tem uma peculiaridade muito especial: o açude Estevam Marinho que se destaca como o ‘oásis do Sertão paraibano’, não só pela sua beleza e imensidão, mas também pelo potencial de piscicultura nele presente”, analisa. “Muitas pessoas tiram seu sustento ou estão de alguma forma ligadas às águas do nosso reservatório. Daí surgiu a ideia de documentar isso em um curta”. Continuando a política de descentralização do fomento cultural, um outro edital que chama atenção é o ‘Cine Mais Cultura’, que além de beneficiar produções também visa a propagação da sétima arte, como o cineclube Cine Nazareth, coordenado por Paulo Roberto através da Associação Casa de Cultura Júlia Rocha de Nazarezinho. “O edital fornece todo o equipamento para o cineclube, como a tela, som e os filmes, e nós cuidamos do local e da divulgação.” O Cine Nazareth tem sessões semanais todas as quintas, com uma exibição mensal de 60% de filmes produzidos mo Brasil, na maioria curtas-metragens e documentários.
http://jornaldaparaiba.globo.com/noticia.php?id=26821

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

O Falcão do Cariri

Mais um brasileiro que não desiste nunca e luta com unhas e dentes e como ele mesmo afirma: "sempre procurei viver do suor do meu rosto e dos calos das minhas mãos". Ele escreveu esse texto que na verdade é uma carta que ele pretende enviar a nossa presidenta.

Ilustríssima Presidente Dilma Roussef

Eu Romulo Juvino dos Santos, sai de Monteiro aos 19 anos de idade com destino a Paulo Afonso na Bahia. Chegando lá , consegui trabalhar na Construtora Mendes Jr como servente geral, sendo eu demitido, fui trabalhar na Hidréletrica de Itaparica. Sendo eu mais uma vez demitido alguém me falou que havia o inicio de uma nova hidreletrica em Foz do Iguaçu no Paraná, onde a mesma fica na triplice fronteira. Lá trabalhei como mecanico de manutençao de bombas d'agua que servem pra fazer esgotamento do leito do rio para começar a escavaçao. Começei no alicerce da hidreletrica deixando eu 21 turbinas funcionando.

Com a minha demissão fui pra cidade de São Paulo enfrentar a cidade grande. Lá fui metalurgico e trabalhei como torneiro mecanico em São Bernardo do Campo, assim como o presidente Lula foi. Outra vez demitido fui para Brasilia junto com minha mulher (que sofre de depressão pós parto) e dois filhos. Chegando eu em Brasilia fui morar em um barraco de madeira onde só existiam bandidos e traficantes.
Resolvi fazer amizade com o coronel Eduardo de Samambaia Norte. Eu estava morando em terreno que não era legalizado e pertencia ao ex-governador Joaquim Roriz ao qual eu relatei que o meu sonho em Brasilia era ganhar o meu terreno legalizado ao que me respondeu que não poderia me condecer esse sonho por eu ser amigo do presidente Lula.

Tentei subir a rampa do Palácio do Planalto, mas, o exercito me empediu e me encaminhou a guarita do controle para agendar uma visita. O tempo passou e eu tomei a decisão de retornar a Monteiro no Cariri paraibano.
Atualmente me encontro desempregado com duas crianças pra criar e uma esposa doente. Em Brasilia trabalhei como cabo eleitoral e o meu sonho era ver Lula do PT subir a rampa do Palácio do Planalto, um nordestino sofrido e honesto.

Trajei-me em Brasilia com trezentas etiquetas do sapato aos óculos que usava. Lá meu nome ficou gravado na memória do povo brasiliense como o "Grande Falcao do ABC Paulista... porém, me chamo Romulo, filho de Monteiro, sempre procurei viver do suor do meu rosto e dos calos das minhas mãos. Hoje encontro-me numa dificil situação financeira e para preservar minha idoneidade moral preciso de ajuda de quem pode mais do que eu.
Obrigado e que Deus abençoe a Sra Presidente.
Chove chuva e leva contigo as magoas..rsrs
A chuvas dão um clima mais ameno a mulecada faz a festa nas ruas tomando banho em toda poça















Coletivos Audiovisuais na Paraiba

A cada edição do CineEsquemaNovo, mais e mais produções de realizadores da região Nordeste ganham destaque nas mostras competitivas do festival – notadamente, trabalhos oriundos do Ceará, Pernambuco e Paraíba. Uma característica comum a estes trabalhos é o fato de serem quase sempre produzidos por coletivos que se reúnem para realizar filmes autorais de orçamento enxuto, em que os custos e tarefas são divididos entre todos os integrantes.

Um deles é a cooperativa Filmes a Granel, da Paraíba, da qual fazem parte 20 cineastas. Entre eles, Ana Bárbara Ramos, Ely Marques e Arthur Lins, velhos conhecidos do CEN. Em 2009, o filme Sweet Karolynne, de Ana Bárbara, ganhou o prêmio de Melhor Curta-metragem escolhido pelo Júri de Premiação do Festival, e ficou em segundo lugar pelo voto popular na Mostra de Curtas.

À época da produção do curta, o coletivo Filmes a Granel ainda não tinha ganhado corpo, mas Ana Bárbara e outros realizadores paraibanos já participavam do CEN com outro coletivo, o Las Luzineides Coletivo Audivisual Psicotrônico. Isso porque, também em 2009, dois outros curtas de integrantes do grupo estiveram na Mostra Competitiva do Festival, Um Detalhe Luzi (Arthur Lins) e O plano do cachorro (Arthur Lins e Ely Marques).


Em 2007, o média-metragem Um Fazedor de Filmes, dos mesmos diretores, ganhou os prêmios de Melhor Personagem Real (Júri de Premiação) e Melhor Curta ou Média (Júri Popular). O filme tem como personagem o cineasta Ivanildo, que produz filmes em VHS na pequena cidade de Soledade, no interior da Paraíba. A maior parte dos filmes de Ivanildo, como Nove marmanjos e o rabo da cabrita e Pescaria Sangrenta, se baseia em histórias da cultura regional e tem como locações, figurinos e elementos de cena as casas, estabelecimentos comerciais e objetos pessoais de moradores da cidade – que voluntariamente ajudam Ivanildo e inclusive atuam em seus filmes.

Coincidência ou não, tanto Sweet Karolynne quanto Um Fazedor de Filmes se centram em personagens fortes, daqueles que não se esquece – ou atores sociais, para definir de forma mais precisa o “personagem” no cinema documentário que expande suas delimitações de gênero.

Sweet Karolynne:

Ana Bárbara conheceu Karolynne no bar do pai da garota, em 2003. Karolynne surgiu da cozinha em sua bicicleta, trazendo no guidão a galinha Capitu (que precedeu o galo Jarbas, personagem do curta), com quem não parava de conversar. A cena impressionou Ana Bárbara, que puxou conversa com a menina. “Pude perceber em poucos minutos que estava diante da pessoa mais delicada, gentil e sensata daquele lugar. Com sua imaginação transbordante, ela podia criar o lugar que quisesse, dar vida a seres inanimados, interagir com os bichos, viver em harmonia com tudo a sua volta. Tudo que a gente, gente crescida, não conseguia fazer”, conta a diretora.

Algum tempo depois, Ana Bárbara voltou ao bar e conversou com Karolynne e com a família dela sobre a possibilidade de fazer um filme com a garota. Os pais concordaram, mesmo diante da dificuldade de perceber o que havia de cinematográfico ali. A filmagem foi realizada em três etapas diferentes, ainda em 2003, com uma câmera Hi-8 e um microfone dinâmico, mas o primeiro corte do filme só apareceu seis anos depois, porque Ana Bárbara se envolveu com outras atividades junto à Associação Brasileira de Documentaristas da Paraíba e engavetou o material bruto.

Depois de cinco cortes e ainda alguma insatisfação pessoal com o resultado, Ana Bárbara finalizou o filme em 2009, quando se convenceu “de que o ‘mais’ havia acontecido antes da câmera ser ligada pela primeira vez, na escolha dessa criança como contradição do mundo”.

O curta Sweet Karolynne foi lançado no bar do pai da menina em 2009, no dia 16 de agosto, data onde se comemora o Elvis Party – o dia da morte de Elvis. Ana Bárbara conta que Edmundo (o cavaleiro solitário, cover de Elvis e pai de Karolynne) se apresentou emocionado e chamou a garota para subir ao palco e cantar com ele a música Sweet Karolynne, em homenagem ao filme.

No momento, Ana Bárbara trabalha num curta chamado “Oferenda”, que ela define como uma mistura de documentário etnográfico e filme-ensaio que tem como tema o ato de fazer oferendas a orixás (neste caso específico, Iemanjá). O curta, realizado pela Filmes a Granel, custou exatos R$ 1.780 e vai ser lançado no final de janeiro em João Pessoa. A previsão é de que outros quatro filmes produzidos por cineastas integrantes da cooperativa sejam lançados em 2011.

Leia aqui uma matéria sobre a Filmes a Granel publicada no Jornal da Paraíba.

Gabriela R. Almeida

Extraído de: http://cineesquemanovo.wordpress.com/


Monteiro amanhece debaixo de uma leve chuva o que foi otimo pra dá uma aliviada no calor que estava infernal. desde ontem a tarde que cai uma chuvinha em monteiro, mas, muito de leve, embora em alguns sítios a chuva deve ter sido forte como você pode ver como o céu estava ontem a tarde

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

A Cara do Cariri

Foto 03: Vista da Serra do Peru: Um dos lugares mais bonitos de Monteiro e que recomendo pra quem tiver coragem de subir a sua trilha que é cansativa mas chegando ao topo você é recompensado com essa visão maravilhosa. (clique na foto pra ampliar)

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Em primeira mão pra você que acessa o Karabina o trailer do filme: O Mundo encantado de Zabé da Loca
do diretor Pedro Paulo Carneiro. Estamos tentando trazer esse filme pra ser lançado no Festival de Cultura Popular do Cariri dentro do Festival do Minuto do Cariri que também terá a mostra Curta o Cariri

O MUNDO ENCANTANDO DE ZABÉ DA LOCA (trailer) from Pedro Carneiro on Vimeo.

Ceguinhas de Campina estarão no Festival de Cultura em Monteiro

O II Festival de Cultura Popular Zabé da Loca já está com sua programação praticamente definida. O evento promovido pela Prefeitura de Monteiro, que na sua versão 2011 homenageia o compositor Ilmar Cavalcante, acontecerá no período de 23 a 27 de fevereiro e terá Mostra de Teatro e Dança, Mostra de Cinema, Oficina de Literatura de Cordel, Palestras, Festival de Violeiros, Lançamento de Livros, Teatro de Rua, Shows Artísticos e Gincana.

O secretario de Cultura e Turismo, Edcarlos Farias, confirmou a presença das Ceguinhas de Campina, protagonistas do filme “A pessoa é para o que nasce” e que receberam os títulos de Mestres das Artes. As três, antes da consagração popular, passaram grande parte de suas vidas juntas, cantando e tocando ganzá em troca de esmolas nas cidades e feiras do Nordeste do Brasil.

O Festival de Cultura Popular Zabé da Loca, mesmo estando ainda no seu segundo ano de existência, já é um evento que propaga a cidade de Monteiro e a região do Cariri paraibano no cenário cultural brasileiro. No ano passado o evento contou com a presença de nomes consagrados como: Flávio José, Dejinha de Monteiro, Novinho da Paraíba, Luciene Melo e Chico César. Na sua versão deste ano o festival deverá contar também com grandes atrações que estarão homenageando Ilmar Cavalcante.

A prefeita Edna Henrique confirmou que para a promoção do festival a Prefeitura de Monteiro está recebendo o apoio do Banco do Nordeste, UEPB, Sebrae e outras instituições.

Midia10


A cara do Cariri

Foto nº 2: Antenada no mundo

a casa pode ser simples mas é invadido pelo universo que a tv pode oferecer. A tv ajudou muito a pôr fim a muitas tradições e ajudou a afastar a comunidade da interação que havia. Quando criança no Sitio Pitombeira, era muito comum irmos a casa dos vizinhos ou eles virem a nossa nas noites de lua e brincavamos e os adultos contavam histórias, facetas e isso mantinha a comunidade mais unida.

Foto: Sitio Cacimbinha

domingo, 16 de janeiro de 2011

O Mundo Encantado de Zabé da Loca

Mais uma vez Zabé da Loca mostra a força do seu talento dessa vez em uma filme cheio de participações especiais e imagens raras da época do saudoso Beiçola.

A produção e direção é do premiado Pedro Paulo Carneiro que já fez diversos vídeos sobre a cultura popular brasileira e até já recebeu prêmio da BBC de Londres.

Ficamos na expectativa pra assistir essa nova obra do audiovisual que enobrece a nossa valiosa pifeira Zabé da Loca.

sábado, 15 de janeiro de 2011

Zabé sopra sua 87ª velinha

A nossa querida Zabé da Loca, símbolo da cultura regional de raiz comemorou 87 anos de idade com muitos amigos e convidados. Com sua lucidez e bom humor invejaveis recebeu todos com seu cordial sorriso e assistindo de perto a mazurca se apresentar.

Ainda houve apresentações da Mazurca de Santa Catarina, da banda de pife os Curumins da Serra e o Pife Perfumado e depois muito forró com João de Tião.

(clique na foto pra ver album)

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

"A Cara do Cariri"
Começo aqui a série de fotos "A Cara do Cariri" foto 01: banho de açude na Cidade de Monteiro
O açude de Monteiro é como o popular piscinão de Ramos, aqui a galera, principalmente do Alto vem refrescar os dias quentes nesses dias de verão. Banho e cachaça são uma constante e também uma combinação perigosa, há cerca de 4 anos perdi um colega nesse açude tendo como motivo de sua morte por afogamento essa combinação. Há um projeto que há vários anos se fala em uma revitalização desse que é um dos resquícios da Monteiro de 100 anos atrás e que considero uma das coisas mais belas na cidade e que concordo que deve ser revitalizado mas mantendo-se algumas de suas caracteristicas como por exemplo o seu contorno e sua extensão, sendo cercado e construído em seu entorno como em Campina é feito com o açude velho ou como é feito com os rios do Recife, mas, nunca soterrá-lo como já vi pessoas falando essa besteira. A maior perda seria para os verdureiros que sobrevivem com seus plantios as margens do açude e abastecem parte da feira de verdura local, mesmo alguns dizendo que a água é imprópria.
Biliu de Campina no Festival de Cultura Popular do Cariri Paraibano em 2010

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Poesia e Rima, Doc, 19 min, 2009
L. Ravel de Azevedo



Os poetas e a poesia na cidade de Monteiro, como os poetas vivem, como se iniciaram e como vêem esses novos tempos. Uma realização da Carabina produções sem nenhum apoio governamental ou institucional, feito na raça com os poucos recursos que tenho. Apesar desse vídeo ter mais de ano e poucos terem assistido, é o vídeo que fiz que mais me senti realizado. Esse vídeo tem 19 minutos e tem como as estrelas seu Pedro Jararaca, Espedito de Mocinha, Asa Branca do Ceará, Eduardo Viana e Xexeu da Paraíba.

Ps- Agradecimento a CPNet (provedor de internet do empresário Irandy) que deu uma turbinada na minha net pra poder postar esse vídeo.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Tati (em memória)
(clique na foto pra ver album completo)
IV Festa de Reis de Zabelê

Mais uma vez Zabelê aparece no mapa da cultura popular como grande exemplo de gestão cultural. A Ascuza (Associação Cultural de Zabelê) em conjunto com a Prefeitura Municipal de Zabelê e algumas parcerias conseguiram realizar oficinas, debates e apresentações culturais do Reisado de Zabelê, Reisado das Caraíbas, Boi de Reis do Mestre pirralhinho, Coco Raízes de Arcoverde, Cabruêra, Dj Spencer e Pife Perfumado, que é a mais nova revelação da cena cultural zabeleense e marcando o retorno da tradição das bandas de pifano na cidade que resurge com o jovem Rilsley (acho que é esse o nome) de apenas 14 anos de idade que se revela um exímio pifeiro e tendo como seu mestre River Douglas.

Os debates discutiram a gestão cultural em geral, desde a captação de recursos através dos editais como a revitalização das tradições culturais. Entre os interessados que estavam acampados na Fazenda Santa Clara, onde funciona a Fundação João José estava Arthur Pessoa (vocalista da Cabruêra) que logo fez amizade com todas as crianças do local e o pequenino Gustavo de 4 anos de idade tornou-se praticamente o mascote da fazenda. Outros interessados apareceram entre eles o professor Antônio Mariano, Bira e Kiel do Gente Boa (Camalau), Pablo (da Funjope), Cícero (sec. de Educação de SS Umbuzeiro) e diversos professores universitários que fizeram parte dos debates durante todo o sábado. Na noite de sábado rolou o show da Cabruêra que mesclou as músicas já conhecidas com algumas novas do cd visagem e em seguida teve o dj Spencer, tudo no clube municipal de Zabelê.

O domingo foi reservado a festa nas ruas da cidade onde os grupos de reisado desfilaram pelas ruas encantando adultos e crianças com suas cores vibrantes e a sua musicalidade e a noite ainda teve apresentação no clube municipal do Coco Raízes de Arcoverde e pife Perfumado (de Zabelê) sem contar de Anael que alegrou o final da noite dando uma de dj.


Mais informações:
http://festadereisdezabele.blogspot.com/

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011


O II Festival de Cultura Popular homenageará Ilmar Cavalcante

O II Festival de Cultura Popular do Cariri Paraibano Zabé da Loca prestará este ano homenagem ao compositor Ilmar Cavalcante. O evento acontecerá em Monteiro entre os dias 23 a 27 de fevereiro, com uma programação bastante vasta.

Segundo Edcarlos Farias, Secretário de Cultura e Turismo, a homenagem a Ilmar Cavalcante nasceu de uma decisão entre os integrantes da Secretaria e a prefeita Edna Henrique, pela importância cultural do compositor para o município.

Ele acrescentou que assim como na primeira edição promovida em janeiro do ano passado, o Festival deverá reunir amigos e artistas que já gravaram músicas de Ilmar.
“Ilmar Cavalcante é um verdadeiro representante da nossa cultura regional e como compositor tem contribuído para propagação da nossa querida Monteiro. Por isso, tão justa homenagem a um artista que tem levado aos mais diversos recantos suas composições, ajudando na difusão cultural do Nordeste brasileiro”, afirmou Edcarlos.

Ilmar já teve mais de 300 canções gravadas. Entre os artistas que já gravaram músicas do compositor estão: Flávio José, Santana, Flávio Leandro, Adelmário Coelho, Geraldinho Lins, Dominguinhos, Eliane, Maciel Melo, Petrúcio Amorim, Bandas: Magníficos e Mastruz com Leite.

A programação terá mostra de teatro, mostra de cinema, festival de violeiros, cultura na feira, palestras, encontros, lançamentos de livros, gincana e apresentações artísticas.

O evento do ano passado ganhou grande visibilidade na mídia nacional com a veiculação de reportagens em importantes programas televisivos como Metrópoles, da TV Cultura e No Coração do Brasil, da Rede Bandeirantes, além de matérias em jornais como Folha de São Paulo.

O Festival é uma realização da Prefeitura de Monteiro, com apoio do Banco do Nordeste, Sebrae, Projeto Vínculus e UEPB.

A Prefeitura divulgou a pré-programação da II edição do Festival:

23 de Fevereiro (Quarta-feira)
09h00 Abertura Oficial (Pátio da Prefeitura Municipal)
09h30 Apresentação da Fanfarra / Grupos Culturais e Teatro de Rua (Pátio da Prefeitura Municipal)
10h00 Abertura de Exposição de Artesanato do Cariri Paraibano (Museu Histórico)
19h30 Mostra de Teatro (Teatro Jansen Filho), com Espetáculo Teatral Grupo UEPB Monteiro: As Plêiades da Matemática; Espetáculo de Dança Clássica – Grupo UEPB Campus Campina Grande e Espetáculo Teatral: Machos (Direção Saulo Queiroz) – Grupo do Campus UEPB.

Dia 24 Fevereiro (Quinta-feira)
14h00 Palestra “Cultura na Educação”, Ministrada pelo professor Antonio Rafael de Menezes (Teatro Jansen Filho)
19h30 Apresentação cultural / Mostra de Cinema / Exibição de vídeo em homenagem a Ilmar Cavalcante

Dia 25 Fevereiro (Sexta-feira)
09h00 Reunião do Fórum de Cultura e Turismo do Cariri Paraibano (Teatro Jansen Filho)
10h00 Palestra Programa Mais Cultura e Sistema Nacional e Municipal de Cultura: Representante do Ministério da Cultura (Teatro Jansen Filho)
20h00 Lançamento do Cordel Pinto do Monteiro: Autor Manoel Monteiro (Centro Cultural) e Festival de Violeiros – Noite dos Campeões – Pinto do Monteiro (Centro Cultural)

Dia 26 Fevereiro (Sábado)
08h00 Cultura na Feira: Apresentações culturais: Banda de Pífanos Mirim Curumins da Serra / Coco de Roda Quitéria Noberto/ Banda de Pífanos Alto São Vicente / Bereta do Cavaquinho/ João de Amélia (Mercado Público)
16h00 Lançamento do livro “Ciço de Luzia” de Efigênio Moura e Apresentação Cultural de Niedson Nill (Casa Progresso)
20h30 Homenagem a Ilmar Cavalcante (Praça João Pessoa)
20h45 Apresentação Cultural de Zabé da Loca
21h00 Apresentação Banda Filarmônica
22h00 Shows Musicais

Dia 27 Fevereiro (Domingo)
07h00 Gincana Cultural (Maratona Caracterizada)

Programação de Oficinas:
08h00: Abertura no dia 23 de fevereiro
Oficina de Vídeo: Ministrada por Asley Ravel (Escola Municipal Maria do Socorro Aragão)
Oficina de Pífano: Ministrada por Josivane Caiano e Pitó (PETI)
Oficina de Coco de Roda: Ministrada por Ivan do Coco (PETI)
Oficina de Literatura de Cordel: Ministrada por Manoel Monteiro (Secretaria de Educação)

Sobre o homenageado

Ilmar Cavalcante, compositor paraibano, nasceu no dia 19 de outubro de 1970, em João Pessoa, mas sempre morou na musical cidade de Monteiro, no Cariri paraibano. Filho de Inácio Vieira da Silva (in memorian) - Ouro Velho/PB, e Lindalva Cavalcante da Silva, Monteiro/PB. Teve a infância dividida entre os estudos, as peladas de futebol e passava as férias no sítio Angico, dos avós maternos.

A admiração de seu pai pela música regional, em especial o forró do Trio Nordestino, clareou a inspiração de Ilmar e fez surgir os primeiros versos em forma de canção. Com o passar do tempo, entre os 19 e os 20 anos de idade, já com alguns trabalhos desenvolvidos, ele se sentia feliz tocando violão e mostrando as primeiras composições a amigos mais próximos.

Vencendo a timidez, apresentou suas canções a alguns artistas monteirenses, em especial a Flávio José e a Dejinha de Monteiro, que gravou sua primeira música intitulada, "Me deixa entrar no seu mundo", de 1993, bem divulgada e comentada nas rádios da região.

Depois dessa primeira vitória, a inspiração e a dedicação se redobraram e, no ano seguinte, por meio do cantor Flávio José, a cantora Eliane gravou a música "Poucas palavras", que seria um dos grandes sucessos executados no Nordeste, naquele ano. A partir de então, as portas se abriram para o jovem compositor.

Em 1994, conhece o cantor e compositor Nanado Alves e dessa parceria, nasceram grandes sucessos consagrados pelo povo, na época a Banda Magníficos iniciando a carreira gravou cinco músicas da dupla ("Xote de encomenda", "Charme especial", "Todo dia te querer", entre outras).

Em 1995, Flávio José grava dois sucessos ("Um passarinho" e "O bom do amor") e a Banda Magnificos grava o segundo disco, com mais três músicas ("Tenda", "Alguém", "Viver uma paixão"), estourando a nível nacional.

Em 1996, o cantor Gláucio Costa grava o xote "Cheiro de nós", uma música cheia de poesia em que a letra faz uma pequena homenagem ao grande poeta José Marcolino.
A partir de 1997, vários artistas gravaram canções de Ilmar Cavalcante. Alguns exemplos de músicas que tocaram bastante são: "Saudade que mata", com Genaro, e "Diálogo", com Flávio José. Em 1998, Ilmar Cavalcante participou do 1º MPB Cariri, um Festival de Música Regional em Monteiro, onde participaram compositores de todo país, sendo ganhador com a música "Quando escuto seu Luiz". Essa canção foi gravada por Flávio José no CD Pra todo mundo, com novo título, passando a se chamar "Sangue nordestino". Nesse mesmo disco, encontramos o baião "Só falta você voltar".

Em 1999, com o crescimento das bandas de forró, a Magníficos grava a música "Muito pra te dar" (parceria com Nanado Alves e Jorge Andrade), que teve grande sucesso. Já em 2000, o cantor Flávio José entra na gravadora BMG e lança um belíssimo CD, que tem como carro-chefe; "Seu olhar não mente" e o belíssimo xote "A vida é você" (Ilmar Cavalcante/Nanado Alves), dois grandes sucessos, sempre lembrados pelo público.
No ano seguinte, a música "Amor pra mais de mil" foi gravada por mais de 30 artistas inclusive o cantor Novinho da Paraíba e as bandas Mastruz com Leite, Raízes do Forró... Com essa canção, vários desses artistas se apresentam em programas de TV (Xuxa Parque, Super POP e A Casa é Sua, entre outros). No mesmo ano, o cantor Adelmário Coelho grava "Chega de saudade", que foi carro-chefe do CD e teve grande aceitação popular.

Em 2002, a gravadora BMG lança duas coletâneas; As Melhores do ano e 4 em 1. A música "Seu olhar não mente" (Ilmar/Nanado) fizeram parte destes dois discos, que teve a participação de grandes nomes da musica popular brasileira Fábio Jr., Leonardo, Daniela Mercury e muitos outros.

O ano de 2003 não é muito diferente. Os artistas já mencionados continuaram gravando outras canções de Ilmar Cavalcante, vindo o cantor Santanna se juntar a esse seleto grupo.

O baiano Adelmário Coelho gravou, em 2004, "Farejador de forró", um autêntico pé-de-serra feito por encomenda. Nessa música, a parceria foi com o seu compadre João Batista.

Em 2005, a Banda Magníficos, o cantor Novinho da Paraíba e Santanna o Cantador gravaram em DVD sucessos de Ilmar Cavalcante. Em 2007, o Compositor foi um dos campeões do Forrofest (2° Lugar) com o baião, "Meu Lugar é meu Nordeste", interpretado por Osmando Silva.
Depois de 15 anos de composição, mais de 300 músicas gravadas, e muitas outras inéditas, Ilmar lança o CD "Ilmar Cavalcante, meus amigos meu Forró", onde grandes artistas da nossa música regional interpretam o poeta-compositor abrilhantando cada vez mais seu belíssimo trabalho.

Já em 2010 Ilmar lança seu 2º trabalho, contando mais uma vez com a participação mais do que especial de seus amigos e admiradores. O trabalho de Ilmar surge naturalmente de uma aclamação dos admiradores da boa música nordestina, música autêntica e de boa qualidade, mostrando mais uma vez que é possível apesar de todas as dificuldades apresentar um trabalho consistente e bem fundamentado. Contando nesse trabalho com novas participações a exemplo de Jorge de Altinho, Cezinha, Flávio Leandro, Geraldinho Lins e outros.
Agradecido a Deus pelos sucessos alcançados, o poeta compõe em meio à vida cotidiana. Em casa ou no trabalho (ele presta serviços de informática ao Fisco Estadual da Paraíba), Ilmar sempre encontra tempo para ler, buscar inspiração, ouvir e aprender com os grandes mestres da nossa música e poesia, como Luiz Gonzaga o cantor Lindú (Trio Nordestino), Dominguinhos, Guilherme Arantes, Chico Buarque e Jansen Filho, entre outros.

Ascom / Midia10



quinta-feira, 6 de janeiro de 2011







Começa nesta sexta-feira a Festa de reis de Zabelê

Nesta sexta tem oficinas e no sábado tem Cabruêra e Dj Spencer botando pra quebrar e se é pra quebrar no domingo tem coco Raízes de Arcoverde e reisado das Caraíbas que no ano passado também esteve por lá. Karabina vai fazer a cobertura completo dos 3 dias da festa popular que valoriza o reisado que tem se extinguido em muitos lugares.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Lampião: Herói ou Bandido???
Esse vídeo já tem quase 4 anos, é sobre um dos nossos grandes ícones nordestinos, amado por muitos e odiado por outros tantos, Lampião deixou sua marca em toda nossa história e mostrou-se um dos mais estrategistas e inteligentes cabras que o nordeste viu nascer.

Na ocasião o escritor Amildomar Williams de Souza autor do livro "Lampião: Nem Herói Nem Bandido a História " estava de passagem por Monteiro divulgando seu livro e então gravei esse pequeno depoimento com ele.