quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Homenagem a Dona Marta

Dona Marta foi minha professora e em todo lugar que a encontrava ela falava comigo sorrindo... fiquei triste em saber de sua prematura partida... força e meus pêsames a toda a família.

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Meu Natal descolorido




 Pétala

 Kaule
 Cida
 Rafa
 Fran
 O gato
 Ismael
Garotos jogando bola no beco do Alto São Vicente, pra que papai noel se podemos ser felizes sem ele
Veinho

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Sítio Pitombeira com a turma do IFPB

Nesta quarta-feira fomos ao Sítio Pitombeira com a turma do IFPB, no momento estava acontecendo uma oficina audiovisual e a galera fez algumas imagens e aproveitei pra tirar algumas fotos












terça-feira, 18 de dezembro de 2012

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Momentos Históricos: Monges em chamas no Vietnam




A Guerra do Vietnã teve início depois que um golpe de estado tirou do poder o presidente Ngo Dinh Diem, do Vietnã do Sul. O golpe teve o apoio subentendido dos 
EUA por conta de uma mudança da política americana para com o Vietnã, e as fotografias do monge em chamas feita por Browne teriam influenciado nisso.
Durante a cobertura em Saigon, diversos repórteres ocidentais foram alertados sobre um monge budista que pretendia atear fogo a si mesmo em praça pública em protesto contra o regime de Diem, que era pró-Catolicismo. Mas apenas Browne acreditou no aviso e foi ao local cobrir o ocorrido.

O monge, Thich Quang Duc, se manteve imóvel após se banhar em combustível de aviação e acender o corpo com fogo. As fotos de Browne ganharam a primeira página de jornais em todo o mundo, chamando atenção para a situação no Vietnã.
Segundo o então recém-nomeado embaixador dos EUA em Saigon, Henry Cabot Lodge, o presidente John F. Kennedy lhe confidenciou à época que estava "chocado" com as imagens nos jornais e que "precisamos fazer algo sobre esse regime". Lodge falou sobre o assunto em uma entrevista para a AP em 1998.

A situação deu início à rebelião e posterior deposição e morte de Ngo Dinh Diem (o primeiro presidente do Vietnam do Sul após a independência e divisão do Vietnam, governando o país entre 1955 e 1963). A imagem do monge em chamas foi uma das primeiras a se tornar icônica na Guerra do Vietnã.

Texto e foto enviado por : Alex Andrade



Extraído de: 
www.facebook.com/acontecimentoshistoricos

sábado, 15 de dezembro de 2012

Livro garante que Lampião passou seus últimos anos de vida no Norte de Minas

Livro garante que Lampião passou seus últimos anos de vida no Norte de Minas!

A morte do mais famoso cangaceiro brasileiro, Lampião, tem causado muitos debates, informações desencontradas e dúvidas, ao longo da história, desde aquele dia fatídico, 28 de julho de 1938, quando as forças policiais promoveram uma emboscada a um grupo de cangaceiros, na localidade de Angico, Município de Poço Redondo, no Estado de Sergipe, matando 11 pessoas e apresentando às autoridades suas cabeças, dizendo que se trata de Virgulino Ferreira da Silva, sua mulher Maria Bonita e de alguns seguidores.

A grande imprensa do país tem se dedicado ao assunto e nos últimos 15 anos vem noticiando que um fotógrafo de São Francisco estava fazendo pesquisa para publicar um livro, provando que Lampião não foi degolado naquele dia, mas, armou um esquema com as autoridades e fugiu para Minas Gerais, tendo residido em várias cidades do Norte Minério, usados diversos nomes e faleceu em 1993, na cidade de Buritis, no Noroeste de Minas Gerais.

José Geraldo Aguiar, que, como fotógrafo, em São Francisco, com muitos contatos, tomou conhecimento dos rumores na região de que Lampião estaria vivendo naquele Município.

assou a pesquisar e encontrou um homem sisudo, estranho, com um defeito no olho direito, usava óculos escuros e que não era de ter amigos. Procurou se aproximar daquela pessoa, travando conversas, puxando assunto, até que ficou sabendo de se tratar de João Teixeira Lima.

Os contatos foram aumentando. João Teixeira Lima passou a ter confiança em Geraldo Aguiar, como é conhecido em São Francisco. Muitas informações foram transmitidas ao fotógrafo, até que num determinado dia, João Teixeira confessou que era, na realidade, Virgulino Ferreira da Silva, narrando toda a história de sua vida e como ele renunciou ao cangaço e fugiu para Minas.

Certo dia, em 1992, Geraldo Aguiar disse para João Teixeira que queria escrever a sua história, para corrigir o equívoco daquele episódio de Angico. Ele disse: “meu passado foi muito problemático, não posso aparecer. Faça o que for possível, mas, não anuncie nada antes da minha morte. Vou morrer no ano que vem. Deixo minha mulher autorizada a colaborar com você em tudo que for possível.”

Realmente, João Teixeira Lima veio a falecer no ano seguinte, o óbito foi registrado em nome de Antônio Maria da Conceição e a sua então mulher, Severina Alves de Morais, conhecida por Firmina, outorgou procuração para José Geraldo Aguiar, prestou todas as informações necessárias e entregou documentos importantes.

LAMPIÃO TERIA RESIDIDO EM VÁRIOS MUNICÍPIOS

José Geraldo Aguiar, fotógrafo em São Francisco, escreveu um livro, com o título “Lampião, o Invencível: duas vidas, duas mortes”, para demonstrar que o cangaceiro mais conhecido do país, renunciou ao cangaço, fugiu do Nordeste em 1938, passou por diversas cidades do Norte e Noroeste de Minas e viveu seus últimos dias na cidade de Buritis, onde faleceu no dia 3 de agosto de 1993, com 96 anos de idade, uma vez que nasceu em 7 de julho de 1897, em Pernambuco.

Desde que renunciou ao cangaço, em julho de 1938, que Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, mudou de nome e, com Maria Bonita e outros seguidores, fugiram para a cidade de Paulo Áfono e de lá foram margeando o Rio São Francisco até entrarem em Minas pela cidade e Manga.

Lampião e Maria Bonita, em cada Município que chegavam, adotavam nomes diferentes, procuravam abrigo mais seguro na zona rural, alugando mangas e criando bovinos, evitando contados mais estreitos com pessoas estranhas.

Assim, eles residiram nas localidades de Itacarambi, Missões, Povoados de Brejo do Amparo, São Joaquim e Tijuco, em Januária, Pedras de Maria da Cruz, Matias Cardoso, Burarama, hoje Capitão Enéas, Arinos, Urucuia, São Francisco e finalmente em Buritis, onde faleceu.

Em São Francisco, Lampião encontrou local seguro para residir e comprou uma fazenda às margens do Rio São Domingos, onde ficou por muitos anos, até a sua velhice. Depois se mudou para a cidade de Buritis, onde conseguiu se aposentar pelo FUNRURAL. Voltou para São Francisco, indo residir na cidade.

Enquanto residia em Minas, Lampião foi algumas vezes a várias cidades das Bahia e chegou a voltar à sua terra, em Pernambuco, porém, disfarçado.

Para manter o seu disfarce, Lampião usou os nomes de Antônio Teixeira Lima, João Teixeira Lima, José Pereira, João Baiano, João Pernambucano, João Bogó, João Mangabeira, Policarpo Lima, Antônio Luiz de Lima, Luiz Antônio de Lima, Luiz Fulício Lima e, quando faleceu, o registro foi feito em nome de Antônio Maria da Conceição, porém, na cruz, colocada na sepultura, consta o nome de Antônio Teixeira Lima.

Segundo o autor do livro sobre as duas vidas de Lampião, o que houve em Sergipe, em 1938, quando as forças policiais mataram 11 cangaceiros e disseram que Lampião e Maria Bonita estavam entre eles, foi um amplo acordo de Lampião com as autoridades locais para ele fugir.

Lampião contava com 41 anos de idade, estava certo que não tinha mais condições de chefiar o seu bando, já manifestara, por diversas vezes, que queria deixar o cangaço e viver uma vida descente.

Governava Sergipe, na época, o Dr. Eronildes Carvalho, que era amigo e protetor de Lampião, assim como o famoso Padre Cícero, também apoiava o chefe do cangaço. Com eles, Lampião negociou o acordo para deixar o cangaço e fugir das caatingas do Nordeste.

Virgulino Ferreira da Silva teve mais dez filhos com Maria Bonita, em Minas Gerais, tinha três filhos com outra mulher e, quando faleceu, sua companheira Severina Alves de Morais, que ainda vive em Buritis, teve três filhos com ele.

(Fonte: ONorte.Net)

Bom final de semana pra todos

 ...mais ou menos assim: Eu sou um imigrante e venho tirar seu emprego, mas você não tem um!!!










 Usaram essa foto da transposição nessa campanha no face... tá valendo...rs



 Tá difícil pra todo mundo...rs